Doutrinador

974

cruzDoutrinador

Na nossa Doutrina, o médium que é consciente, vigilante e racional, sem incorporar, é denominado DOUTRINADOR. Sua fita tem o símbolo – a cruz -, seu colete e sua capa têm a cruz nas costas e, no escudo, existe um sinal de divisão que indica a sua capacidade de separar objectivamente os planos vibracionais, distinguindo o que é da Terra e o que é do Céu. Sua mediunidade funciona com base no sistema nervoso central activo, onde a vontade e a consciência predominam, assumindo o comando de seu sistema neuro vegetativo. O Doutrinador correctamente mediunizado se liga a seus Mentores e se torna receptivo dessas forças superiores, tornando-se pólo emissor de energias positivas, vibrações que podem ser transmitidas por suas palavras, pela aplicação das mãos, pelo olhar e até mesmo pelo simples pensamento direccionado. Diferente do doutrinador de outras correntes espiritualistas, o Doutrinador do Amanhecer tem seu plexo iniciático preparado pelo trabalho de Koatay 108, que buscou dar com sua actuação, a base científica do mediunismo utilizado em nossa Corrente, sendo, assim, a primeira passagem na Terra de uma falange de Doutrinadores encarnados com plexo iniciático. Assim, cabe ao Doutrinador, entre outras, as principais funções: estudar, apreender, interpretar e conceituar a Doutrina do Amanhecer; ter a responsabilidade de ser instrutor dos médiuns em desenvolvimento; dar assistência e manter o controle de todo e qualquer trabalho de incorporação, aprendendo a conhecer as entidades e agindo conforme a natureza daquele espírito que se apresenta; conhecer todas as Leis, sabendo abrir e encerrar os trabalhos, bem como ter capacidade para comandá-los; aplicar correctamente o passe magnético nos Aparás, após a incorporação, e nos pacientes; buscar manter o equilíbrio e a harmonia em seu redor, porque sabe que, com seu potencial mediúnico, tem condições para controlar um ambiente sem a necessidade de qualquer gesto. No primeiro dia em que comparece para iniciar seu Desenvolvimento, o médium faz um teste para verificar o tipo de mediunidade de que é portador, momento em que toda a atenção deve ser dispensada aos chegantes, pois a tentativa de desenvolver a mediunidade de um Doutrinador nato como médium de incorporação, por seus plexos inferiores, leva a conseqüências imprevisíveis. Uma das características da civilização actual é a confusão entre os planos vibracionais tão diferentes: o plano transitório da alma, que é produzida, como o corpo, a cada encarnação, e o plano transcendental do espírito, que é sempre o mesmo. Cada um desses planos se manifesta em nosso campo consciencional de modos totalmente diferentes, e o Doutrinador sabe como agir e interagir de forma objetiva em cada plano, fazendo disto a base de sua missão, isto é, transformando sua personalidade num instrumento de ação do seu espírito, de sua individualidade, exercendo plenamente suas funções mediúnicas, que visam a ligação dos Planos Superiores com a Terra. Quando falamos da Doutrina do Amanhecer (*) vimos que ela se dedica à prática dos aspectos objectivos do Sistema Crístico, ligando seus campos vibracionais aos planos da Terra. Essa é a função do Doutrinador: agir dentro das Leis Crísticas para fazer funcionar o Sistema Crístico na Terra. Mesmo que tenha dificuldades para ler estas Leis nos Evangelhos, aprenderá através de sua mediunidade. Neste ponto reside toda a trajectória do médium Doutrinador. Se ele se dispuser a ser apenas um medianeiro, um intermediário de um Sistema vivo e actuante, exercendo plenamente o amor, a tolerância e a humildade, certamente se tornará um Doutrinador propriamente dito. Mas, se quiser apenas manter-se no plano de sua personalidade, preso a conceitos e preconceitos, submisso aos anseios da alma e do corpo, não será, jamais, um Doutrinador – apenas um médium desperdiçado. O Doutrinador não tem outra escola que não seja a própria vida, suas lições pacientemente aprendidas no Templo, no lar, em seu local de trabalho material, na rua, enfim, onde estiver, aprendendo a aplicar o Sistema Crístico correctamente em cada acontecimento, o que significa decidir sobre a forma, a intensidade e a duração dessa aplicação. Por isso é preciso que esteja, permanentemente, alerta e receptivo. Alerta para poder perceber cada detalhe do fato, e receptivo para poder receber a orientação de seu próprio espírito. O Doutrinador não corre atrás da Doutrina. Atento, deixa que a Doutrina chegue até ele. Estabelece seu próprio programa, de forma a não conflitar com o seu padrão de vida, sua cultura e sua disponibilidade, e aprimora sua técnica, isto é, sua maneira de fazer as coisas. O Doutrinador é o guardião do Apará, e por isso a sua responsabilidade é enorme no que diz respeito a mistificações e mensagens com interferências de Espíritos Inluz. Deve aprender a conhecer muito bem as incorporações, pois há inúmeros casos de Espíritos das Trevas que incorporam sem os sinais do sofredor (enrijecimento muscular, contracção das mãos, etc.). Deve saber lidar com as diversas classes de sofredores e obsessores, buscando aplicar sua doutrina correctamente, com amor e propriedade. A Doutrina do Amanhecer é uma Ciência, por isso é necessário que sejam aprendidas suas técnicas de trabalho. Nos menores gestos, desde o seu comportamento no Templo até na aplicação de chaves, passes magnéticos, enfim, em toda sua actividade nos trabalhos e rituais, está envolvida uma refinada técnica, que deve ser bem compreendida e aplicada pelo Doutrinador, para que seja eficaz e eficiente sua participação e, com isso, se sinta cada vez mais seguro. Tia Neiva deu permissão para que o Doutrinador pudesse, em casos de extrema necessidade e excepcionais, desenvolver outros tipos de mediunidade que utilizam somente os chakras e plexos superiores, tais como a psicografia, a vidência, a olfação e a audição, porém sob observação e com a consciência de que essas funções podem prejudicar sua objectividade e sua sensibilidade e acuidade como médium doutrinador.

Juramento do Doutrinador

Senhor! Nesta bendita hora, venho pedir-Te a permissão para melhor conduzir-me no teu Exército Oriental!

Esta espada de luz encoraja-me. Conduzindo meu espírito à mesa redonda da Corrente Branca do Oriente Maior…

Senhor! Neste instante sinto-me ligado

Às forças magnéticas do Astral Superior,

À ciência dos Veteranos Espíritos que, em breve, me transportará,

Induzindo-me o Espírito da Verdade!

Esta taça que levo aos lábios, com o sabor de todas as virtudes,

O vinho que, em breve, correrá em todo o meu corpo,

Me transportando, a todos os instantes,

O poder das forças magnéticas da paz, do amor e da sabedoria!

O gume desta espada, apontada ao meu peito,

É a demonstração viva do que Te posso dar!

Fira-me, quando meu pensamento se afastar de Ti!

Ingeri a taça do Espírito da Verdade,

E nesta taça impregnei todo o egoísmo que me restava…

Ninguém jamais poderá contaminar-se por mim!

        “Jesus! No descortinar desta missão, sinto renascer o espírito da verdade na missão que me foi confiada: o Doutrinador! É por ele, e a bem dele, que venho, nesta bendita hora, Te entregar os meus olhos. Lembra-Te, Senhor, de protegê-los até que eu, se por vaidade, negar o Teu santo nome, mistificar a minha clarividência, usar as minhas forças mediúnicas para o Mal, tentar escravizar os sentimentos dos que me cercam ou quando, desesperados, me procurarem. Serei sábia, porque viverás em mim!” (Tia Neiva, 1.5.58)

        “As forças são recebidas pelo cérebro e fazem impressões na mente, por ondas de pensamentos, onde ficam gravadas como o som de uma música que não está sendo cantada mas fica decorada como se a tivéssemos ouvindo. É a capacidade de receber e emitir as ondas mentais dos Planos Superiores que nos dá o poder de fazermos coisas que se encantam nas curas desobsessivas. Às vezes, captamos uma força e a emitimos na presença de um enfermo, e ele se cura como que por encanto, deslumbrando os demais que não conhecem o fenómeno como nós. Meu filho, assim espero em você, porque a vida na Terra tem também seus encantos. Tudo o que nasce na Terra nasce com a Divina Centelha, força e vida! É muito importante o trabalho que, juntos, emitimos na Cabala de Delfos. Vivemos em um Universo em que a importância das coisas não pode ser calculada por seu tamanho. Muitas vezes, dez mestres não fazem o que um só pode fazer! A Ciência não tem mais argumento para contestar os fenómenos extra sensoriais, embora possa medir a meia vida. O Homem é um ser moralmente livre. Digo, filho, que o Doutrinador é um cientista porque sabe julgar com exactidão, julgando de acordo com os valores morais, com pureza e amor.” (Tia Neiva, s/d)

           “Uma faixa magnética não passa pelo médium de incorporação sem a puxada do Doutrinador ou sem o devido consentimento do mesmo. O Doutrinador iniciado é mais útil ao trabalho do que mesmo os próprios guias, que, para terem um trabalho eficiente, o fazem com as ordens dos Doutrinadores, aos quais respeitam e acatam. O médium de incorporação é um simples instrumento. Ele não tem, absolutamente, condições de fazer um trabalho perfeito ou dar uma comunicação perfeita sem a presença e cuidados de um Doutrinador. Nos meus olhos de clarividente, não vejo condições curadoras sem esta perfeita manipulação de forças e de ectoplasmas. Existem muitas comunicações perfeitas entre nós, graças a Deus! Temos médiuns perfeitos! Quando o médium se mostra com toda euforia para a incorporação, começam a se esgotar suas energias, e sua comunicação fica perigosa porque seu ectoplasma entra em decadência, não mantendo uma conjunção com o Doutrinador. A função dos espíritos que labutam no nosso trabalho profissional é conjugar os ectoplasmas para a realização de curas. O médium que recebe espíritos sem qualquer disciplina própria poderá acertar uma profecia, porém aqui tratamos com profissionais e, como tal, exigimos essa disciplina. O Espiritismo ainda não se difundiu, conforme meus olhos de clarividente registram, justamente por causa desta falta de disciplina. Os meios de manipulação de forças nos trabalhos são propícios à perfeição, dependendo unicamente da humildade e disciplina de cada médium. Se um médium incorporar sem disciplina, seu Doutrinador poderá ser chamado à atenção, severamente, por mim!” (Tia Neiva, 7.5.74)

           “Não há qualquer espírito que passe por nossos trabalhos do qual não se faça a entrega obrigatória! Nosso trabalho é exclusivamente de Doutrina! Não aceitamos, em hipótese alguma, palestras, nos Tronos deste Templo do Amanhecer, de Doutrinadores com entidades que não sejam os nossos Mentores, espíritos doutrinários! Mesmo fora do Templo, consta-me que os Doutrinadores que palestraram com exus, etc., atrasaram suas vidas, pois eles não se afastaram de seus caminhos. A obrigação do Doutrinador é fazer a doutrina, conversando amigavelmente com o espírito, procurando esclarecê-lo, continuar seu amigo, porém fazer sua entrega obrigatoriamente, com o que ressalva sua responsabilidade perante os Mentores. Outros Doutrinadores estão com suas vidas atrasadas simplesmente por sua irreverência com os Mentores, acendendo para estes duas velas, saindo fora de seu padrão doutrinário. Entre eu e os exus há um laço de compreensão e respeito mútuo. Porém, um Doutrinador, por não ser clarividente, não está em condições de dialogar com eles, exceto no âmbito da Doutrina.” (Tia Neiva, 7.5.74)

          “Nosso trabalho é exclusivamente de Doutrina e não aceito, em hipótese alguma, palestras nos Tronos ou no Templo em geral, dos Doutrinadores com entidades que sejam doutrinárias. Mesmo fora do Templo, consta que Doutrinadores fizeram contacto com exus e palestraram com eles. Esses Doutrinadores atrasaram suas vidas, pois esses exus não se afastam deles. A obrigação do Doutrinador em relação ao exu ou algum espírito sofredor mais lúcido é fazer a doutrina, conversando amigavelmente com ele e procurando esclarecê-lo. Deve tornar-se seu amigo, porém a entrega é obrigatória. Só assim o Doutrinador ressalva sua responsabilidade perante os Mentores. Muitos Doutrinadores estão com a vida arrasada por causa de irreverência aos Mentores. Eles querem acender duas velas e, com isso, saem de sua Doutrina. Entre eu e os exus existem laços de compreensão e respeito. Um Doutrinador, porém, não é Clarividente e não está à altura de dialogar com exus, exceto na Doutrina.” (Tia Neiva, 9.6.74)

           “Os Doutrinadores devem ter mais amor e não se esquecerem de que existem muitas correntes acima de suas cabeças. Você é corrente positiva ou é corrente negativa! Jaguar quer dizer “Força da Terra”. Jaguar positivo é força positiva da Terra. Mas é força da Terra! Se você não tiver convicção, se não tiver uma conduta perfeita, como pode ser um Jaguar positivo? Como poderá ser um Doutrinador se não tiver os sentimentos de ajudar? Não é só ser livre de preconceitos, não é mostrar ao povo que você é bom, não é querer parecer ao mundo que você é um santo, não! O Jaguar é o Homem que não pediu a Deus a paz e sim, duas espadas. É o Homem que pediu a luta crística, que pediu a Deus a luta pelo Cristianismo! Recebeu a espada do Bem e a espada do Mal. A espada do ectoplasma animal é a espada do Bem. Por conseguinte, meu filho, você pode fazer o que bem quiser, mas deixará de ter uma espada! Se você não souber manejar estas forças, se não procurar, em seu coração, o bom caminho, o sentimento de ajudar os outros, se não tiver força ou não puder aniquilar o Mal, também não terá forças para manejar a espada do Bem. Vamos, meus filhos! Vamos nos preparar para termos uma conduta à altura de nossos sentimentos. Não é procurar ser como eu sou… Não é procurar os meus sentimentos… É me seguir? Não! É seguir nas minhas palavras procurando seguir os seus sentimentos. E eu seguirei vocês, para nunca decepcioná-los. Se você não tem um sentimento religioso, como vai desenvolver suas forças mediúnicas? Só para ficar contando o que você fez? Só para contar as graças que recebeu, recebendo elogios? Salve Deus! Estou seguindo vocês! Eu sigo o sentimento… Nós seguimos o sentimento, o sentimento Crístico, mas tudo dentro da sua capacidade de aceitar e de sentir…” (Tia Neiva, 27.6.76)

           “Jesus! Eu mergulho fundo no abismo do oceano em forma de espaço para obter pérolas perfeitas para enfeitar aqueles que passaram o tempo de brincar. Então, sabendo que um olhar lá do Céu azul me internara em silêncio, quando eu abandonar o leme sei que é chegada a hora e alguém me substituirá em meu posto, e o que resta fazer destas pérolas será feito instantaneamente. Como é perfeita esta luta! Então, não sairei mais, de porto em porto, neste barco estragado pelos temporais. E agora anseio por morrer dentro do que não morre! Eu modularei, a meu ver, as minhas notas no eterno… nas pracinhas… nos albergues… onde for meu! Soluçarei ao revelar o meu último segredo. Mais uma vez depositarei meu som silencioso aos pés dos que me levam de porta em porta, fazendo eu me encontrar comigo. Todas as lições que aprendi! Eles me mostraram os caminhos secretos e puseram diante de meus olhos infinitas estrelas… Eles me guiam durante o dia inteiro pelos mistérios dos carmas nos prazeres e na dor. E, por fim, me envolveram nos caminhos da Doutrina e me fizeram Mãe, em Cristo Jesus, do Doutrinador e me ensinaram o canto imortal e me fizeram amor!… Como a nuvem chuvosa do inverno, que se arqueia toda sob seu aguaceiro, deixe, Jesus, que todo o meu espírito se incline de porta em porta, numa única saudação: o Doutrinador!” (Tia Neiva, Infusão, 18.5.78)

           “O Doutrinador é um poderoso foco de Luz, cujos raios atingem a fronteira intelectual que ilumina todo o ciclo da vida. Ele esclarece e justifica as chamadas Ciências Ocultas, explicando racionalmente suas deduções, os porquês das vidas astral e física. É o canto universal, é a vida de povos com carácter e sua natureza. Estão sempre a receber a mais viva Luz! Ser um Doutrinador é ser um profundo conhecedor, até ser um cientista. Sim, cientista é ter conhecimento das coisas, dos fatos e dos fenómenos em si mesmo, em sua natureza e em suas origens. Analisa e expõe a origem da evolução humana; a criação das matérias; o significado de átomos e células; a formação dos seres; e a força psíquica, proporcionalmente. O Doutrinador se utiliza de seus conhecimentos fundamentais, cuja linguagem é sempre clara. É ciência da Luz e do fenómeno simples, dirigindo somente o seu raciocínio, sem esquecer a independência de seu carácter. A sinceridade e suas convicções provam o fato de ser um Doutrinador. Para nunca se enganar, persuasivo autor; sempre de olhos abertos, sempre no alerta dos fatos, dos fenómenos da vida; sempre o sentido no fenómeno e na vida fora da matéria. O Doutrinador deve sentir-se o “extraordinário”, sublime, palpitante de sua silenciosa manifestação doutrinária nos extra sensoriais e no Homem, até sentir estar penetrando em suas três emissões, sempre exposto à Justiça Universal. Expressivo e atento, é o Doutrinador confiante. Assim é o Doutrinador!” (Tia Neiva, 24.6.78)

           “O sol ainda brilhava no poente e no céu duas aves trançavam em espirais imensas, sempre uma longe da outra. Pensei: “Deve ser um casal!… Porém sua realização não consiste tão somente na distância e, sim, na confiança de uma na outra!” Calma, continuei minha viagem. Agora, guiava o meu carro sentindo imensas saudades e uma insegurança que até então eu nunca tivera. O que me faltava? Asas? Liberdade? Não, tinha tudo! E eu velava as lágrimas inoportunas. “Não! O pranto vai atrapalhar este enigma que me vai na alma!” gritava eu de quando em vez. Passou-se algum tempo. Soube, então, que havia razões naquelas saudades. Um mundo se descortinou à minha frente – o mundo onde as razões se encontram. Foi no dia primeiro de maio de 1959. Por Deus, em uma reunião na UESB, nasceu o DOUTRINADOR! Hoje, tenho que guiar esta imensa nave que é a Doutrina do Amanhecer. Continuo vendo aves no céu, a voltear. Seriam as mesmas que vi há vinte e um anos atrás? Mas, que importa? Pelo que me disseram meus olhos de clarividente, vi que a questão não é somente estar juntos mas, como aquelas aves, estar em sintonia. Junto a mim, na longa estrada em direcção à porta estreita, está comigo o Doutrinador, em sintonia! Vinte e um anos se passaram, legiões de espíritos foram para o Céu… Legiões de espíritos trabalharam comigo na Terra… O enigma do mundo tem agora um farol que brilha: o mundo tem, agora, o Doutrinador!” (Tia Neiva – Biografia do Doutrinador, 1.5.81)

           “Ser um Doutrinador… Ser um Apará… Estão na mesma situação! Não há distinção de mediunidade, porque os plexos são idênticos. Não há diferença, absolutamente, a ponto de levar longe suas manifestações. Agora, por exemplo: o Apará ficar como Doutrinador? Sim! Enquanto Doutrinador, com manifestações de um Apará, são irradiações de um médium passista e, justamente, os perigos: não recebe directamente do Preto Velho e fica com manifestações alteradas, fato que não se passa aqui na Doutrina. As consagrações lhe modificam, seja qual for o caso. Quanto ao Apará insistir em ser Doutrina, tudo bem. A perda é bem menor, porque está livre de uma interferência. (…) O Doutrinador é responsável pelo que faz o Apará. A interferência de um espírito cobrador em um Trono, como inúmeros casos que eu conheço, por displicência do Doutrinador, pode arrasar a vida de um Homem. Sim, o Doutrinador é a única testemunha defesa. (…) O Doutrinador está se preparando para não ter dúvidas – essa a minha insistência! Nos enfermos, pela actuação de uma projecção negativa, obsessiva, a tendência é confundir o ambiente para que não se obtenha um diagnóstico preciso para levar a vítima ao seu objectivo. (…) O Doutrinador não é simplesmente um Doutrinador, porque o coração do Homem é um santuário de Deus vivo. O certo é que todas as vidas individuais são centros de consciência na vida única. A sensibilidade afectiva se encontra em todas as formas de vida, pois em tudo existe a essência divina e, por conseguinte, aí proliferam o amor e a sabedoria. Meu filho, nossa obra chegou, agora, a um plano superior de desenvolvimento espiritual, superior aos ensinamentos elementares e às simples manifestações. É chegada a hora dos Grandes Iniciados. Veremos, num futuro próximo, grandes acontecimentos que se desencadearão aos nossos pés, fenómenos que vão nos ligar deste mundo a outro.” (Tia Neiva, 13.9.84)

           “Quando o doutrinador faz uma entrega e o espírito ainda não está pronto para Mayante, este vem directamente para um dos departamentos do Canal. Na primeira oportunidade, que pode ser na mesma noite ou algum tempo depois, o doutrinador vem completar sua doutrina. Ele, como encarnado, tem a capacidade de trazer consigo seu ectoplasma. Devido à semelhança do ambiente, o espírito ainda se sente na Terra e fica mais susceptível de receber a doutrina. É por isso que dizemos que o Templo do Amanhecer trabalha vinte e quatro horas por dia!” (Amanto – Tia Neiva – Meus Primeiros Passos no Canal Vermelho, s/d)

O que é o Doutrinador?

Meu Filho,

O Doutrinador é um poderoso foco de luz, cujos raios atingem a fronteira intelectual que ilumina todo cicio da vida. Ele esclarece e justifica as chamadas Ciências Ocultas, explicando racionalmente suas deduções, os porquês da vida astral e física.

É o canto universal, é a vida de povos com carácter e sua natureza. Estão sempre a receber a mais viva luz.

Ser um Doutrinador é ser um profundo conhecedor, até ser um cientista. Sim, cientista é ter o conhecimento das coisas, dos fatos e dos fenómenos em si mesmo, em sua natureza e em suas origens. Analisa e expõe a sua origem da evolução humana; a criação das matérias, o significado de átomos e células, a formação dos seres, a força psíquica proporcionadamente. O Doutrinador utiliza seus conhecimentos fundamentais, cuja linguagem é sempre clara. É ciência da luz e do fenómeno simples, dirigindo somente o seu raciocínio, sem esquecer a independência de seu carácter. A sinceridade e suas convicções provam o fato de ser um Doutrinador. Para nunca se enganar, persuasivo autor; sempre de olhos abertos, sempre no alerta dos fatos, dos fenómenos da vida; sempre o sentido no fenómeno e na vida fora da matéria. O Doutrinador deve sentir-se o “extraordinário”, sublime palpitante de sua silenciosa manifestação doutrinária nos extra sensoriais e no homem, até sentir estar penetrando em suas três emissões; sempre exposto à Justiça Universal. Expressivo atento é o Doutrinador confiante. Assim é o Doutrinador!

Com carinho, a Mãe em Cristo,